Estado ESTADO

Cidade no Maranhão é a mais populosa sem óbitos em setembro no Brasil

São José de Ribamar foi o município brasileiro com mais de 100 mil habitantes que não teve sequer um caso de óbito registrado mês passado

07/10/2021 10h55 Atualizada há 2 semanas
32
Por: Hyana Reis Fonte: G1
 Foto: Reprodução/Trip Advisor
Foto: Reprodução/Trip Advisor

São José de Ribamar foi a cidade mais populosa do país a não registrar mortes por Covid-19 no mês de setembro de 2021. Os dados são de um levantamento do G1, com base em dados repassados pelas secretarias de saúde dos estados.

Ao todo, foram cerca de 13 municípios brasileiros com mais de 100 mil habitantes que não relataram mortes no mês, e São José de Ribamar foi o mais populoso que não teve sequer um caso de óbito registrado em setembro - e em outubro também ainda não houve mortes pela doença.

Com pouco mais de 180 mil habitantes, segundo estimativa do IBGE, São José de Ribamar está localizada na Ilha de Upaon-Açu, no Norte do Maranhão, onde também estão localizados os municípios de Paço do Lumiar e Raposa, além da capital São Luís.

Para especialistas, diversos fatores podem ter contribuído para a diminuição dos óbitos por Covid-19, sendo a principal a chegada, em maio, de 300 mil doses extras de vacina que contribuíram para a imunização mais rápida de toda a população da ilha, incluindo São José de Ribamar.

A entrega de mais doses ocorreu por uma estratégia do Ministério da Saúde para barrar uma possível disseminação da variante Delta do coronavírus, após a chegada de seis indianos pelo navio MV Shandong da Zhi, na Ilha de São Luís. Todos testaram positivo para a variante e um deles acabou morrendo.

"Foram 36 mil doses na primeira remessa de doses extras, então o que temos feito, o principal, é a vacinação. Hoje temos 60 mil pessoas com as duas doses da vacina. Outra ação é que temos quatro unidades básicas para dar assistência às síndromes gripais, com testagem rápida, e em caso positivo a gente já faz a prescrição desse paciente", explica a secretária Municipal de Saúde de São José de Ribamar, Bernadete Veiga.

A secretária também atribui a diminuição dos óbitos à obrigatoriedade de máscaras, que segue vigente, além da descentralização da vacinação pela cidade. Em março, foi criada ainda uma parceria com o governo do Estado que criou um drive-thru para ampliar a vacinação em um shopping às margens da principal estrada que leva ao município, com aplicações ocorrendo até mesmo durante a madrugada, no mês de junho.

"Temos 38 unidades básicas cobrindo todo o município com a vacinação. No mês de setembro, tivermos ainda o diferencial de oferecer a vacina nos sete dias da semana, até as 23h. Então toda ajuda e ação que foi feita contribuiu para o resultado que temos hoje", afirmou Bernadete.

O infectologista e pesquisador da Universidade Federal do Maranhão, Antônio Augusto, concorda que a abundância de vacinas ajudou na imunização da população, mas acrescenta que a própria quantidade de casos ocorrida durante a 2ª onda, no início do ano, gerou um grande número de pessoas com imunidade à Covid-19, o que foi potencializado pela vacinação.

"Temos que considerar que a vacinação em São Luís e municípios vizinhos está bem avançada, mas também teve a própria segunda onda, que veio muito forte, demorou mais e atingiu mais pessoas. Muita gente já teve a doença e aí fica mais difícil do vírus se espalhar", disse o pesquisador.

Por outro lado, outro fator que teria causado a falta de óbitos em setembro pode estar relacionado ao atraso no registro de mortes, ou seja, alguns falecimentos por Covid-19 ocorridos neste mês podem acabar registradas semanas depois. O Maranhão, atualmente, é um dos estados que mais demora a registrar óbitos pela doença.

"É possível que apareçam registros atrasados. No ano passado, nós fizemos um levantamento e a média de atraso é de 28 dias no estado. Então pode ser, com certeza, que apareçam registros de mortes de setembro só depois", aponta Antônio Augusto.

Atualmente, São José de Ribamar possui cerca de 60 mil pessoas vacinadas com a segunda dose, ou a dose única, segundo a prefeitura. Desde o início da pandemia, foram 4.056 casos registrados, com 317 óbitos pela doença.