Saúde SAÚDE

Número de mamografias despencam no Brasil durante a pandemia

Segundo o levantamento, o número de mamografias realizadas no país, em 2020, foi 42% menor que o ano anterior.

13/10/2021 14h16
30
Por: Hyana Reis Fonte: Assessoria
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Além de deixar milhares de vítimas, a pandemia do novo coronavírus afastou as mulheres dos exames de mamografia. Segundo estudo da Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM), o número de mamografias realizadas no país, em 2020, foi 42% menor que o ano anterior. Em números absolutos, houve cerca de 800.000 exames a menos em 2020. Considerando a taxa de detecção da mamografia digital, isso pode significar cerca de 4 mil casos de câncer de mama não diagnosticados até o final de 2020.

 

Os dados preliminares são de mastologistas e pesquisadores da SBM em um estudo que ainda não foi publicado. De acordo com a coordenadora do estudo, Dra. Jordana Bessa, a queda se acentuou a partir de abril de 2020, primeiro mês de distanciamento social. O estudo teve como base o número de mamografias realizadas pelos serviços públicos de saúde brasileiros, disponibilizados pelo DATASUS, um banco de dados de acesso aberto. O levantamento comparou o número de mamografias realizadas em 2019 e 2020, em mulheres com idade entre 50-69 anos. Mamografias de instituições privadas não foram incluídas.

 

Imperatriz seguiu a tendência nacional e, conforme o Setor de Oncologia da Secretaria Municipal de Saúde, em 2020, foram autorizadas 1.279 mamografias, mas apenas 863 mulheres compareceram para realizar o exame. São dados que preocupam os profissionais da saúde, pois a mamografia é um exame de imagem importante no diagnóstico precoce do câncer de mama.  

 

“Mamografia ainda é o exame de imagem que consegue diagnosticar melhor as lesões iniciais de câncer de mama, o que pode indicar um tratamento precoce e com maiores chances de cura. Lesões inferiores a 1 cm quando tratadas de forma precoce podem levar até a 98% de chances de cura e até mesmo tratamentos menos agressivo”, afirma a mastologista da Oncoradium Imperatriz, Germana Zélia.

 

Ainda segundo a Dra. Germana, as mulheres devem procurar um mastologista anualmente desde a adolescência. E, a partir dos 40 anos, o exame de mamografia passa a ser obrigatório, pois é o método mais eficaz para detectar o câncer de mama.

 

“O mastologista é o médico especialista responsável por avaliar, diagnosticar, prevenir e tratar as doenças das mamas, sejam elas adquiridas ou congênitas. Essa especialidade abrange métodos clínicos, cirúrgicos e reparadores para o tratamento das patologias que acometem as mamas”, explica a mastologista.

 

Números

 

De acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), no Brasil, excluindo os tumores de pele não melanoma, o câncer de mama é o mais incidente em mulheres de todas as regiões. Para o ano de 2021 são estimados 66.280 casos novos da doença, que matou 18.295 pessoas no país em 2019. Em 2020, mais de 2,3 milhões de mulheres no mundo descobriram que estavam com câncer de mama.

 

No Brasil, em 2020, cerca de oito mil casos de câncer de mama tiveram relação direta com fatores comportamentais, como consumo de bebidas alcoólicas, excesso de peso, não ter amamentado e inatividade física. O número representa 13,1% dos 64 mil casos novos de câncer de mama em mulheres com 30 anos e mais, em todo o País, de acordo com dados do INCA. Em 2019, o Brasil registrou 18.068 mortes por câncer de mama, sendo o principal tipo da doença que leva mulheres a óbito.