E-mail

redacao@correioma.com.br

WhatsApp

99 98190-5359

Radio Timbira
Corona Junho
Camara Imperatriz
BRASIL

Crânio de Luzia é encontrado entre escombros do Museu Nacional

O crânio está quebrado, mas os pesquisadores apontam que é possível fazer a restauração

20/10/2018 09h15
Por:
Fonte: O Povo
324
Chamas destruíram o Museu. (Foto: Tânia Rego/Agência Brasil)
Chamas destruíram o Museu. (Foto: Tânia Rego/Agência Brasil)

O fóssil humano mais antigo das Américas foi reencontrado. Luzia, como foi batizado, estava no Museu Nacional do Rio de Janeiro quando o prédio foi consumido por incêndio, no último dia 2 de setembro. Nessa sexta-feira, 19, a assessoria de imprensa da instituição confirmou ter achado o objeto, datado de 11,4 mil anos. O fóssil foi recuperado há alguns dias — não detalham a data —, mas só foi divulgado nessa sexta. 

O crânio está quebrado, mas os pesquisadores apontam que é possível fazer a restauração. Além dele, as buscas chegaram a um fêmur do esqueleto. Outras partes seguem perdidas. Logo após o incêndio, administradores do Museu adiantaram que a área onde estava o crânio tinha peças preservados, o que dava esperança de reencontrar o fóssil. 

Incêndio

As chamas destruíram 90% do acervo do prédio de 20 milhões de itens. Além do crânio reencontrado, havia ainda no local o caixão de Sha Amun en su, um presente dado a Dom Pedro II em 1876 durante segunda visita ao Egito. O prédio abrigava ainda aproximadamente 750 peças provenientes das civilizações grega, romana, etrusca e italiota, mais de 1.800 objetos produzidos pelas civilizações ameríndias durante a era pré-colombiana, entre outras peças de valores incalculáveis para a humanidade.