E-mail

redacao@correioma.com.br

WhatsApp

99 98190-5359

Fevereiro Laranja
Radio Timbira
GREVE

Sindicatos e estudantes organizam mobilização nesta sexta

O dia 14 de junho não terá manifestação somente em Imperatriz; a mobilização ocorre em todo o país

13/06/2019 14h21Atualizado há 8 meses
Por: Redação
Fonte: Daniela Souza
223
 (Foto: Reprodução)
(Foto: Reprodução)

Acontece nesta sexta, 14, mais uma mobilização em Imperatriz em prol da defesa de direitos. A concentração ocorre às 8h na Praça Brasil. A expectativa é que estudantes, sindicatos, professores e movimentos sociais marquem presença neste terceiro ato público.  

Os organizadores fazem parte do ‘Fórum em defesa da previdência social pública’ intitulada de ‘Fórum Contra a Reforma da Previdência’. Este já é o terceiro ato organizado na cidade após medidas contrárias aos direitos fundamentais previstas na Constituição de 1988, realizado pelo atual governo federal.  

O protesto ocorre em defesa da universidade pública e contra a reforma da previdência. Na oportunidade, sindicatos e movimentos sociais vão levar à pauta em defesa da aposentadoria, contra privatizações, reforma agrária e saúde pública.   

O dia 14 de junho não terá manifestação somente em Imperatriz. A data foi escolhida para que a sociedade civil de todo o país possa ir às ruas. A pauta principal da mobilização é denunciar a inconstitucionalidade da PEC 06/19 – denominada reforma da Previdência.  

Segundo a nota pública divulgada no site ‘Juízes para a Democracia’, a PEC 06 pretende pôr fim ao sistema solidário de seguridade social, atingindo a população economicamente mais vulnerável. “No atual sistema de repartição, os benefícios previdenciários são pagos com os valores arrecadados dos trabalhadores da ativa, dos empregadores (sobre a folha de salários, o faturamento e o lucro) e do orçamento do Estado”, informa a nota.  

Explica ainda que a capitalização proposta pretende recolher a contribuição do trabalhador para uma poupança individual, que servirá para custear a sua própria aposentadoria, desonerando o Estado e o empregador do pagamento das suas atuais contrapartidas. “Com isso, a previdência social passará a ser obrigação exclusiva dos trabalhadores. A consequência será a perda de arrecadação e a redução drástica do valor dos benefícios previdenciários no futuro”, pontua. 

O Sindicato dos bancários do Maranhão decidiram em Assembleia no sábado (08/06) que os bancários maranhenses vão aderir ao movimento que tem como principais bandeiras: a defesa da previdência pública e a luta contra os cortes na educação e por mais empregos.  Em todo o Maranhão, os bancários fecharão as agências e participarão de manifestações com outras categorias.