E-mail

redacao@correioma.com.br

WhatsApp

99 98190-5359

Corona Maio
Radio Timbira
Camara Imperatriz
Sonar

Em tempo: O legado de Rubem Fonseca

O escritor será pra sempre um dos maiores da literatura

Sonar

SonarCarlos Leen apresenta um jornalismo político direto dos bastidores, sempre de maneira critica e transparente

25/04/2020 12h40Atualizado há 1 mês
Por: Carlos Leen
228
O escritor Rubem Fonseca
O escritor Rubem Fonseca

Eu não poderia deixar de registrar no blogue a passagem do escritor Rubem Fonseca para o outro lado na vida eterna.

Em meio aos graves últimos acontecimentos na República e da crise da pandemia, temos que buscar arejar a cabeça com a boa literatura. Temos a arte para que a realidade não nos mate, já dizia Nietzsche.

Conheci o trabalho de Fonseca nos fins dos anos 90. Sua obra não trata diretamente com a Política mas em suas entrelinhas nos deparamos com uma realidade nua e crua de personagens extremamente humanos,  brutos e cínicos.

Sociopatas, prostitutas, criminosos, cidadãos tidos como normais (ou não) nos são apresentados em contextos tão chocantes quanto reais.

Do caos a lama, Fonseca faz emergir as "vozes da barbárie" urbana e as ironias das voltas que o mundo dá numa perspectiva onde "não há saída" para ninguém.

A História através da ficção sempre compareceu em seus romances, a exemplo de "Agosto" sobre as conspirações que culminaram na morte de Getúlio Vargas ou ainda em "O Selvagem da Ópera" em que retrata a vida de Carlos Gomes, ou ainda "A Cavalaria Vermelha", livro de Isaac Babel retratado em "Vastas Emoções e Pensamentos Imperfeitos".

Contudo é nos "contos" que Rubem Fonseca se torna imbatível. Secos, duros e cruéis ou ainda  divertidos e irônicos. Com uma escrita e um estilo que permanecerão insuperáveis sempre.

Se você ainda não leu "Feliz Ano Novo" , "A coleira do cão" , "Romance Negro e outras histórias", "Secreções, excreções e desatinos" - corra até as livrarias virtuais e faça essas aquisições/investimentos.  Vale a pena cada letra.

O mundo, a realidade e as suas voltas, idas e vindas podem ser tão fantásticas quanto cruéis. As duas únicas certezas são: 1) a morte e 2) o fato de que a literatura de Rubem Fonseca retratou muito bem tudo isso.