E-mail

redacao@correioma.com.br

WhatsApp

99 98190-5359

Radio Timbira
Agosto Dourado
Sonar

Veja os destaques da Política aqui

Mundo tem 11,3 milhões de casos; Brasil lidera mortes em 24 h, diz OMS

Sonar

SonarCarlos Leen apresenta um jornalismo político direto dos bastidores, sempre de maneira critica e transparente

06/07/2020 17h03Atualizado há 1 mês
Por: Carlos Leen
790
Nova pesquisa Exata, publicada com exclusividade pelo Jornal Pequeno,
Nova pesquisa Exata, publicada com exclusividade pelo Jornal Pequeno,

Mês de julho chegando e com ele se aproximam os embates naturais na seara Política.

O calendário eleitoral foi alterado e as eleições que definirão o prefeito e os vereadores acontecerão no dia 15 de novembro do presente ano.

Um dos primeiros “atingidos” no jogo é o prefeiturável Ildon Marques (PP) que teve seu nome veiculado a notícia de que estaria inelegível na disputa. O jornalista Gilberto Leda publicou uma matéria dando conta que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) havia confirmado, ainda no mês de maio, uma decisão do Tribunal Regional do Maranhão (TRE-MA), indeferindo o registro de Ildon como candidato a deputado federal, em 2018. Assim, estaria inelegível para as eleições municipais deste ano.

A resposta não tardou e foi dado pelo próprio Ildon Marques que por meio de suas redes sociais afirmou: “(...) e, mais uma vez, a velha história da inelegibilidade. Estou muito tranquilo em relação a isso (...) Por enquanto, sou pré-candidato. Imperatriz não tem mais tempo a perder.” Disse.

Desta forma temos por enquanto no páreo: Ildon Marques, Marco Aurélio, Assis Ramos, Sebastião Madeira, Zé Carlos Soares, Daniel Fiim, Pastor Daniel, Pastor Laércio, Dra Graça, Mariana Carvalho, Manoel Garimpeiro e Aluizio Melo.

São doze nomes por enquanto que se apresentam como pré candidatos a Prefeito de Imperatriz. Claro que alguns aí só disponibilizaram o nome para avaliar o cenário e em breve se encaixaram em grupos maiores. É aguardar.

Mas a grande notícia mesmo neste final de semana foi a divulgação de uma pesquisa realizada pelo Instituto Exata e publicada com exclusividade pelo Jornal Pequeno, mostrando que, em meio à pandemia do coronavírus, o governo Flávio Dino tem aprovação expressiva em São Luís e em Imperatriz, as duas maiores cidades do Maranhão.

Segundo publicado pelo jornalista John Cutrim, “o levantamento mostra que, na capital, 65% aprovam a gestão. Outros 32% não aprovam. E 3% não souberam ou não quiseram responder. A mesma pergunta foi feita aos moradores do segundo maior município do estado. O resultado foi ainda mais positivo: 69% aprovam Flávio Dino; 28% não aprovam; e 3% não sabem ou não quiseram responder”. Veja na integra aqui a matéria.

Sobre os números da pandemia, o jornalista John Cutrim destacou que “o Maranhão tem se destacado entre os índices mais positivos no que se refere ao combate à doença. Não se viram aqui, por exemplo, filas por leitos ou colapso no atendimento, diferentemente de outros estados.

Desde março, o Governo do Estado abriu mais de dez novos hospitais e multiplicou por oito os leitos reservadores para a doença. O resultado foi que, após o pico de ocupação em maio, começou a haver boa margem de leitos livres. Com isso, parte dos leitos já migrou para pacientes de outras doenças. O Maranhão também está chegando à marca dos 200 mil testes, um dos melhores desempenhos do Brasil.” Afirmou o jornalista do Jornal Pequeno John Cutrim.

Na mídia nacional, o governador do Maranhão Flavio Dino já é visto como um dos principais adversários do atual presidente Jair Bolsonaro, justamente por conta do bom desempenho em governar do primeiro em detrimento de um pífio desempenho do segundo.

Ainda sobre o Coronavírus: Mundo tem 11,3 milhões de casos; Brasil lidera mortes em 24 h, diz OMS. Segue o jogo.

Outro destaque da mídia nacional no fim de semana foi a entrevista que a primeira-dama do município de Tamandaré-PE, Sarí Corte Real, indiciada pela morte de uma criança, o menino Miguel, filho de sua “empregada”. Ela me pareceu tentar colocar sua narrativa, minimamente defensável, para sair totalmente das “cordas” e voltar pra uma posição de “combate”. Contudo, ficou feio sua frieza. Havia espaço, mesmo resguardando a defesa jurídica, para um teatro mais dialógico com a sociedade. Um caso típico de um tipo de elite cruel. Triste.

Publicidade:
Clique aqui e ouça Rádio Timbira