Saúde SAÚDE

Novo ministro da Saúde descarta lockdown como política contra Covid

O cardiologista assumiu a pasta nesta segunda-feira (15). Ele substitui o general Eduardo Pazuello, que ficou 10 meses no cargo

16/03/2021 11h34
478
Por: Hyana Reis Fonte: Poder 360
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

O cardiologista Marcelo Queiroga, anunciado nessa 2ª feira (15.mar.2021) como novo ministro da Saúde, disse que lockdown é uma medida que só deve ser adotada para conter a pandemia do coronavírus em “situações extremas”.

As declarações foram feitas em sua 1ª entrevista depois de ser confirmado como chefe da Saúde do governo do presidente Jair Bolsonaro. Ele substitui o general Eduardo Pazuello, que ficou 10 meses no cargo.

“Esse termo de lockdown decorre de situações extremas. São situações extremas em que se aplica. Não pode ser política de governo fazer lockdown. Tem outros aspectos da economia para serem olhados”, afirmou Queiroga à CNN Brasil.

Para o cardiologista, é preciso “assegurar que a atividade econômica continue”. “A gente precisa gerar emprego e renda. Quanto mais eficiente forem as políticas sanitárias, mais rápido vai haver uma retomada da economia”.

O novo ministro da Saúde comentou ainda o “tratamento precoce” para covid-19. O tema foi motivo de discordância entre Bolsonaro e a também cardiologista Ludhmila Hajjar, cotada a assumir a Saúde em reuniões na tarde de domingo (14.mar) e na manhã de 2ª (15.mar).

O presidente defende a aplicação de remédios sem eficácia comprovada para prevenção da doença. Hajjar discorda. Segundo ela, o “1º ano de pandemia foi suficiente para demostrarmos o que não funciona, o que é o caso de cloroquina, ivermectina e vitamina D”.

De acordo com Queiroga, no entanto, o tema “precisa ser analisado para que a gente consiga chegar a um ponto comum que permita contextualizar essa questão no âmbito da evidência científica e da ciência”.

“Isso é uma questão médica. O que é tratamento precoce? No caso da covid-19, a gente não tem um tratamento específico. Existem determinadas medicações que são usadas, cuja evidência científica não está comprovada, mas, mesmo assim, médicos têm autonomia para prescrever”, disse o novo ministro da Saúde.

O médico disse ainda quais serão as suas prioridades na gestão da pandemia no Brasil. Segundo ele, é preciso que o Ministério da Saúde demonstre liderança na condução da crise. “Vamos criar uma grande união nacional, com um propósito de vencer a pandemia”, declarou.

“O presidente quer que questões operacionais sejam colocadas de maneira clara, de tal sorte que o conceito de que o Brasil sabe vacinar se repita, e a gente consiga vacinar a população, que é a maneira mais eficiente de prevenir a doença”, afirmou Queiroga.

PERFIL

Queiroga assumirá uma das maiores pastas do governo e terá que enfrentar os desafios que a covid-19 impõe aos sistemas de saúde dos Estados e municípios, além de organizar o foco das políticas públicas do ministério e acelerar a vacinação contra a doença –que está em recrudescimento no Brasil.

O médico é natural de Cabedelo, na Paraíba. Formou-se em 1988, na Universidade Federal do Estado. Fez residência em Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista de 1991 a 1993.

Assumiu a diretoria técnica do Cardiocenter, em 1997, e é presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia desde 2020. Comandou a Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista de janeiro de 2012 a janeiro de 2014.

Nas redes sociais, o novo ministro já curtiu diversos posts de Bolsonaro e de personalidades alinhadas ao Planalto, mas também favoritou reportagens com tom crítico ao governo, como uma publicada pelo site O Antagonista com o título: “Em Israel, comitiva brasileira inova e usa máscaras”.

Mesmo com casos específicos, a maioria dos posts lidos e comentados por Queiroga são de médicos ou publicações que citam artigos científicos –nos últimos meses, em sua maioria, com foco no novo coronavírus. O cardiologista também se mostrou entusiasta da vacinação.

Como trabalha na linha de frente, o médico foi imunizado contra a covid-19 em 20 de janeiro. Publicou vídeo em seu perfil no Instagram: “Hoje tomei a 1ª dose da vacina contra a covid-19, mais segurança para quem trabalha na linha de frente. Além disso, a cobertura vacinal ampla vai nos ajudar a conter a pandemia”.

Em seu perfil no LinkedIn, entre seus interesses aparecem perfis de hospitais, veículos de mídia tradicional, instituições de ensino e órgãos governamentais. Assíduo leitor de jornais, alguns dos mais curtidos por ele nas redes são G1, portal do Grupo Globo, e Folha de S.Paulo. Ambos já foram duramente criticados por seu novo chefe, Jair Bolsonaro.

4º MINISTRO

Queiroga será o 4º a ocupar o Ministério da Saúde. Já passaram por lá os também médicos Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich. Ambos deixaram a pasta depois de desentendimentos com o presidente.

Com a saída de Teich, o general da ativa Eduardo Pazuello assumiu a pasta –ainda interinamente– em 15 de maio. Foi efetivado em 16 de setembro, ficando lá até esta 2ª feira (15.mar).