Educação EDUCAÇÃO

Estudante de Imperatriz está entre os 28 brasileiros que tiraram nota máxima na redação do Enem

Júlia Vieira, de 18 anos, diz que fazia duas redações por semana para não perder a prática

31/03/2021 11h36 Atualizada há 3 semanas
52
Por: Hyana Reis Fonte: G1 MA
 Foto: Reprodução/TV Mirante
Foto: Reprodução/TV Mirante

No Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020, 28 candidatos tiraram nota mil na redação, segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Nesse grupo seleto, aparece o nome de uma maranhense: Júlia Vieira, de 18 anos, que esteve entre os mais de 2,7 milhões de estudantes que fizeram o exame.

De Imperatriz, segunda maior cidade do estado, Júlia disse que teve dificuldades de acessar a plataforma por causa de instabilidades no sistema, mas que ficou feliz com a surpresa dos resultados.

"Primeiro, eu não acreditei. Fico olhando pro site e não acreditei. Depois, a ficha vai caindo e começa a aparecer um misto de alegria e gratidão. Até por ver outras pessoas que investiram em mim, acreditaram em mim, felizes junto comigo. É bom ver o todo esforço sendo recompensado", disse a estudante.

Segundo o Inep, houve queda no número de estudantes com desempenho máximo e isso pode ter relação com a altíssima taxa de abstenção: na edição impressa do Enem 2020, aplicada durante a pandemia, mais da metade dos inscritos faltou.

Júlia, no entanto, esteve presente e fez a versão impressa do Enem, cujo tema da redação foi “O estigma associado às doenças mentais na sociedade brasileira”. Ela já havia escrito redações sobre esse assunto e contou sobre o desenvolvimento do texto.

“Eu lembro de ter abordado sobre o preconceito contra as pessoas que sofrem de transtornos mentais e também abordei a questão da gente ter a expectativa de que as pessoas tenham uma vida perfeita e a gente se frustrar com isso, justamente pelas redes sociais, e por tudo que a gente tá vivendo agora. Essa expectativa da vida perfeita, da mente equilibrada, tudo isso também acaba contribuindo pra essa estigmatização”, relata a estudante, que faz o Enem desde o 9º ano do fundamental.

Com o resultado do Enem em mãos, a estudante agora vai em busca de realizar seu sonho: fazer medicina em uma universidade pública. Além disso, para quem vai fazer a prova nos próximos anos, Júlia é precisa ao dizer que praticar faz toda diferença. "Eu costumava fazer duas redações por semana para não perder a prática. Então, não tem outra, o jeito é praticar. É achar o seu jeito de escrever, sua forma, seu modelo, e a prática faz com que a gente fique mais confiante", aconselhou.