Saúde SAÚDE

Março foi o segundo mês mais letal pandemia no Maranhão

Em 30 dias do mês, foram registrados 957 óbitos em decorrência de complicações da Covid-19

01/04/2021 11h29 Atualizada há 2 semanas
33
Por: Hyana Reis Fonte: G1 MA
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Março é o segundo mês mais letal desde o início da pandemia no Maranhão, segundo um levantamento do G1, feito com dados da Secretaria de Estado da Saúde (SES). Até essa terça-feira (30), o estado já havia registrado 957 mortes por Covid-19.

Os números podem ser ainda maiores já que um novo boletim epidemiológico ainda será divulgado pela secretaria nesta quarta-feira (31).

Durante todo o mês, o Maranhão registrou, em média, 31,9 mortes por dia. O período só não é mais letal que junho do ano passado, quando 1.051 pessoas morreram em decorrência de complicações do novo coronavírus. 

Março também teve o pior dia da pandemia, ao registrar 42 óbitos por Covid-19 em 24 horas. A marca foi alcançada na segunda-feira (29), exatamente um ano que o Maranhão teve a primeira morte pela doença confirmada.

Quando comparados com os dados de fevereiro deste ano, houve um aumento de 178% no número de mortes registradas durante o período. Já em relação ao número de infecções pelo novo coronavírus, foram contabilizados 21.945 novos casos em 30 dias.

MAPA DO CORONAVÍRUS: Mortes e casos de coronavírus no Maranhão

As notificações de óbitos pela doença poderiam ser ainda maiores, já que segundo um levantamento da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), o Maranhão é o terceiro estado que mais atrasa nas notificações de mortes por Covid-19. Os óbitos registrados no estado nesta semana, por exemplo, são de um mês atrás.

Com o avanço da pandemia em todo o estado, o Maranhão já confirmou 241.577 casos e 6.031 mortes pela doença até a terça-feira. Até o momento, 15.147 pacientes estão ativos, ou seja, em tratamento contra o novo coronavírus.

Ocupação de leitos

As taxas de ocupação de leitos para a Covid-19 registraram constante crescimento durante o período. A Fiocruz alertou nesta quarta-feira (31), que o Maranhão está em zona de alerta crítico, com 88% de ocupação dos leitos de UTI Covid-19 para adultos. A Grande Ilha de São Luís e Imperatriz ainda são as regiões que mais sofrem com a superlotação.

Em Imperatriz, segunda maior cidade do Maranhão, por duas vezes, a taxa de ocupação de leitos mantidos pela rede estadual de saúde chegou a 100%. Atualmente, a cidade registra 30% a mais de pacientes em leitos de UTI do que o pico da pandemia no ano passado.

O levantamento aponta que em 30 dias, o número de internados em leitos enfermaria saltou de 664 para 990. Já em relação a leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), as ocupações subiram de 442 para 622.