Política POLÍTICA

CPI da Covid deixa aliados de Bolsonaro preocupados

Entre as acusações estão negligência do governo na compra de vacinas; minimização da gravidade da pandemia e ausência de incentivo à adoção de medidas restritivas

26/04/2021 11h00
18
Por: Hyana Reis Fonte: G1
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Integrantes da articulação política do governo no Congresso Nacional receberam com preocupação a lista elaborada pela Casa Civil com 23 acusações que podem vir a ser feitas contra o Poder Executivo na gestão da pandemia.

O documento foi revelado neste domingo (25) pelo portal UOL, e a existência da lista foi confirmada pelo governo à TV Globo. Em nota, a Casa Civil informou que a medida teve como objetivo levantar dados e informações que poderão ser usados pelo governo em resposta a eventuais questionamentos da CPI da Covid.

Surpreendidos, aliados do presidente Jair Bolsonaro avaliam que a lista é munição para a CPI, principalmente pelo detalhamento do roteiro.

Entre as acusações estão negligência do governo na compra de vacinas; minimização da gravidade da pandemia e ausência de incentivo à adoção de medidas restritivas para reduzir o contágio pela doença; promoção de tratamento precoce contra a Covid sem comprovação científica; e a militarização do Ministério da Saúde.

"O governo fez um roteiro inédito para alimentar a CPI. Só esse documento já justificaria a criação de comissão para investigar erros de gestão na condução dessa pandemia", reconheceu ao blog um influente líder do "Centrão".

Para esse integrante, a divulgação da lista acende um sinal amarelo. "Isso mostra que o governo não controla nem mesmo a própria informação", completou.

Parte das acusações listadas pela Casa Civil não estava no radar do chamado G6, grupo majoritário de seis senadores independentes e oposicionistas que integram a CPI, como o item que trata do genocídio de populações indígenas.

Na avaliação de senadores da própria base, o roteiro também reforça a necessidade de convocação do ministro da Economia, Paulo Guedes. "Fica difícil defender um governo que faz gol contra", desabafou um senador governista.