Cultura CULTURA

Duda Beat lança segundo álbum

Cantora nordestina segue fiel ao amor sofrido: 'Sempre vou escrever sobre sofrência'

28/04/2021 11h26 Atualizada há 2 semanas
26
Por: Hyana Reis Fonte: G1
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Duda Beat se questionou se o que estava cantando no novo álbum era "suficiente" diante da dor que a pandemia tem causado no mundo há mais de um ano. A dúvida é válida, mas a resposta é sim, não só suficiente, como necessário.

"Te Amo Lá Fora" é o segundo disco da cantora pernambucana, radicada no Rio, e está disponível nas plataformas de streaming desde a noite desta terça (27).

Sofrer por amor, característica tão presente em "Sinto Muito", disco de estreia de Duda em 2018, segue como tema predominante na nova leva de músicas.

"Sempre vou escrever sobre sofrência. Foi muito tempo vivendo nesse lugar de não ser correspondida", explica Duda .

Isso fica claro em versos como "Eu estava lá tão bonitinha, você passou e me olhou, se lembrou que eu te amava, seguiu em frente, deu em nada" de "Game".

Ou "Nem um Pouquinho", uma das faixas mais interessantes do disco, em que canta "Sei que você não vale nem um pouquinho, mas mesmo assim quero te dar o meu carinho, para poder, até que enfim, satisfazer a nossa solidão".

Mas, Duda defende que há um amadurecimento no assunto, até por estar casada com Tomás Tróia, um dos produtores do disco ao lado de Lux, há quatro anos.

"Me vejo muito mais madura, não só tecnicamente, como emocionalmente. Sinto que nesse segundo álbum rola, da minha parte, um afastamento sobre os meus sentimentos", continua.

Ela destaca "Meu Pisêro" como uma das que marcam essa volta por cima e "Decisão de Te Amar" como uma que representa um amor correspondido. A música, inclusive, foi feita para Tomás.

Um dos pontos altos do disco, além das composições de Eduarda Bittencourt, é a mistura de ritmos que contribuem para marcar ainda mais a identidade da cantora de 33 anos na cena brasileira.

Nas 11 faixas, aparecem elementos do coco de roda, maracatu, piseiro, reggae, trap, pagode baiano que se misturam a sintetizadores, samples de coral de igreja americano e até arranjos de cordas.

O resultado é um som coeso e pop que tem a "cara" da Duda, nome forte na cena alternativa, mas ela quer mais. Quer ampliar o público e tocar nas rádios, campo ainda pouco explorado e difícil, mas que não parece impossível para a pernambucana.

Ouça o álbum completo aqui