Esportes ESPORTES

Boicote à Copa América? Jogadores pressionam CBF para adiamento do torneio

Apesar de clima ruim, CBF confia em contornar crise e realizar torneio, que começa em nove dias

04/06/2021 17h03 Atualizada há 2 semanas
42
Por: Hyana Reis Fonte: GE
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

A possibilidade de não disputar a Copa América é discutida não apenas internamente na seleção brasileira como também com jogadores de outros países sul-americanos.

Desde o início da semana, quando o Brasil foi anunciado como sede do torneio pela Conmebol, atletas da Seleção passaram a tratar do assunto com colegas de outras nacionalidades.

Dos 25 convocados por Tite, 21 atuam no futebol europeu, convivendo com diversos outros jogadores sul-americanos. Mesmo os que defendem clubes brasileiros têm contato frequente com estrangeiros.

Reunidos na Granja Comary, os atletas brasileiros externaram ao técnico Tite e ao coordenador da Seleção, Juninho Paulista, o incômodo por terem descoberto pela imprensa e pelas redes sociais que o País sediará a Copa América. Eles também questionaram sobre a possibilidade de a competição não ser realizada.

A notícia de que o torneio acontecerá no Brasil foi divulgada na segunda-feira, um dia depois de Rogério Caboclo, presidente da CBF, ir à Granja e se encontrar com Tite e os jogadores.

Os atletas pediram para falar com Caboclo novamente, desta vez em clima bem menos cordial, o que aconteceu na última quarta-feira, antes da viagem a Porto Alegre, onde a Seleção enfrenta o Equador nesta sexta-feira, no Beira-Rio, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo.

Nesta conversa, líderes do elenco questionaram por que o Brasil aceitou receber a competição, enquanto Colômbia e Argentina abriram mão de sediar o torneio.

A CBF reconhece a crise, mas acredita ser possível contornar o problema. O entendimento é de que, apesar da insatisfação dos jogadores, não há risco de boicote à Copa América. O Brasil estreia na competição daqui a nove dias.

Na terça-feira, quando o debate ainda ganhava corpo na seleção brasileira, a FIFPro, organização que representa jogadores profissionais de futebol a nível mundial, publicou um comunicado demonstrando preocupação com a realocação da Copa América para o Brasil, anunciada pela Conmebol na última segunda-feira.

O sindicato destacou o fato de o Brasil lidar com "um número alarmante de casos de Covid-19" e declarou que "apoiaria totalmente qualquer jogador que decidir desistir do torneio por razões de saúde e segurança".

Nos bastidores, a FIFPro vai além e estimula a não-participação na Copa América, oferecendo respaldo aos atletas insatisfeitos.

Turbulência e silêncio

Tite concedeu entrevista coletiva na última quinta-feira — Foto: Reprodução/CBF

O debate sobre a Copa América mexeu com a seleção brasileira nos últimos dias. A pedido de Tite, as entrevistas dos jogadores que estavam previstas para segunda e terça-feira foram canceladas.

Na quinta, o treinador falaria com a imprensa às 13h15, mas a entrevista coletiva online só foi começar depois das 20h. O capitão Casemiro também atenderia aos jornalistas, mas, à pedido dos jogadores, apenas Tite e o auxiliar César Sampaio foram aos microfones.

– Temos uma posição, mas não vamos externar isso agora. Temos uma prioridade agora de jogar bem e ganhar o jogo contra o Equador. Entendemos que depois dessa Data Fifa as situações vão ficar claras – afirmou o treinador.

Assim, uma definição sobre a participação ou não do Brasil na Copa América só deve ser anunciada após terça-feira.

Tite reconheceu que este impasse afeta a preparação para os jogos das Eliminatórias - além do Equador, nesta sexta, o Brasil encara o Paraguai, na terça, em Assunção.

Desde a semana passada, a Seleção já convivia com outro problema, a notícia de que Neymar rompeu contrato com a Nike por não colaborar em denúncia de assédio sexual.

Já Rogério Caboclo vinha tentando controlar outra crise interna, que se arrasta há quase dois meses. A conduta do presidente da CBF é criticada por dirigentes de clubes, presidentes de federações estaduais e de membros da própria CBF, além de outras pessoas com acesso frequente à cúpula da entidade. A postura do presidente da CBF é descrita por seus próprios interlocutores como "errática" e "inapropriada para o cargo".

Em abril, uma funcionária da entidade se licenciou por motivo de saúde. Pessoas com conhecimento da situação afirmam que ela tem provas de desvios de comportamento de Caboclo.

É em meio a este ambiente efervescente que o Brasil vai defender a liderança, com 100% de aproveitamento, nas Eliminatórias da Copa de 2022.